Pensamentos

Você precisa se amar – em respeito a você e aos seus sonhos

Gabriel Caetano
Escrito por Gabriel Caetano em fevereiro 18, 2019
Você precisa se amar – em respeito a você e aos seus sonhos
Esse sou eu março do ano passado, ainda começando com a academia e bem mais rechonchudo. Na foto, a Aline Chagas, uma das minhas melhores amigas e uma das melhores pessoas que existem.

Não sei quando foi que virei um rato de academia, mas não foi porque quis. Há 15 meses pratico musculação regularmente, quatro vezes por semana e me sinto (muito) mal se por qualquer motivo não puder cumprir com essa rotina. Não passei a gostar da academia num passe de mágica: os primeiros meses esgotam a cabeça e o físico, para quem levava uma vida completamente sedentária, as dores são ainda piores e parece que a todo momento vai faltar ar. Como estou conseguindo? Tenho consciência de um fato: dependo do meu corpo para tudo. Para trabalhar, para estar com meus amigos, para fazer o que gosto e até para cometer os excessos que adoro e claro, para continuar minha cruzada solitária em busca de civilizar as pessoas. Foi assim que aprendi a gostar da academia e o mais importante: foi assim que aprendi a me amar e me aceitar como sou.

Mas, também, não vamos hiperbolizar nada. – Não sou nem quero ser marombeiro, muito menos tenho o corpo todo torneado ou um bumbum durinho. A verdade é que mesmo tendo perdido 10kg de lá pra cá, ainda sou obeso e alguma coisa no corpo ainda dói. Hoje, a academia é a base da minha rotina, algumas vezes, até a melhor parte do dia. Ela me deixa satisfeito comigo mesmo e me permite observar o progresso que venho tendo. De quinze meses para cá, e de ontem para hoje.

Passei um tempo, em torno de vinte e cinco anos da minha vida, evitando me olhar no espelho. E tenho um grande no meu quarto. Sempre fui desdeixado com vestuário e não ligava para muita coisa. Importante! Não tem a ver apenas com a aparência, mas não vou me aprofundar muito aqui, o que preciso que vocês saibam é: não me achava bom em nada, sempre me calava quando qualquer pessoa que demonstrasse o mínimo de segurança apresentasse uma opinião contraposta à minha e me achava o cara mais feio do mundo. Não é complexo de adolescente. Terminei a faculdade assim, me orgulhando de apenas duas coisas: os livros que li e os filmes que assisti.

Por sorte, encontrei alguns grandes amigos ao longo desse percalço. Um em especial, que é excêntrico do seu jeito e com quem aprendo demais sobre como podemos usar aquilo que vou chamar aqui de elegância a nosso favor. Essa pessoa me incentivou a olhar mais para meu guarda-roupas, postura e sobretudo, para minha apresentação de modo geral. Outro amigo me cobrava (e ainda cobra) com certa frequência em meu whatsapp se estou em dia com todas as minhas agendas e sabe como ninguém me fazer entender a vida real. Junto da atividade que vinha tendo na academia, foram os estalos que tive para vislumbrar o tipo de pessoa que eu gostaria de ser. Vi que era algo possível, e estou trabalhando para isso. De novo, não é moleza, mas é possível. E olha, pouquíssimas coisas são melhores que o reconhecimento das pessoas ao nosso redor, pelo quanto nos esforçamos e por tudo que enfrentamos. Para encarar os dias mais difíceis de nossas vidas, precisamos estar bem. E não podemos nos enganar, alguns dias são incrivelmente duros e se não formos respeitosos com nós mesmos, eles podem ser cruéis.

Reserve um tempo para você, durante a semana mesmo. Na cozinha da sua vida, você pode temperar como quiser. A maioria dos dias você vai acordar, tomar um café da manhã sem qualquer gosto e partir para cumprir com suas obrigações. Voltar para casa e ter um descanso que (a maioria das vezes) não é suficiente. A rotina nem sempre é ruim, eu adoro rotina! Só que convenhamos… É sufocante. O que funcionou para mim, pode não ser útil para você. Motivações, especialmente, são particulares. Os porquês e pra quês de cada um devem respeitados – escrevo aqui, é para dividir com você que sua vida não precisa ser triste, é porque acredito que todos temos histórias que independente de águas passadas, precisam ser respeitadas. E só você sabe o que lhe trouxe até aqui. Eu te respeito e acredito em você e seus sonhos. Apenas seja honesto consigo mesmo, encontre a ponta do barbante e vá puxando. Se esse barbante acabar, nada te impede de pegar outra ponta.

O que você merece, no fim das contas, é sorrir ao menos uma vez por dia. O segredo para isso? Costumo acreditar que é simplesmente fazer o que precisa ser feito. Assim, as coisas melhoram.

 

Uma foto mais recente, e já com alguns resultados dos exercícios. (Adoro ela!)

 

Bem, na semana passada chorei algumas pitangas por essa Newsletter. Fui reler o e-mail e ele me incomodou um pouco, se aconteceu com você também, peço desculpas. É tanta notícia ruim nos sufocando que acabamos não dando a atenção necessária para as coisas boas. Tenho acompanhado o trabalho da deputada eleita por São Paulo, Tabata Amaral, e todos os dias ela me deixa um pouquinho mais esperançoso fazendo o tipo de política em que eu acredito. Um ativismo pela educação. A Tabata tem 25 anos, veio da periferia, estudou nos Estados Unidos e foi a sexta deputada mais votada em São Paulo com mais de duzentos e sessenta mil votos. Ainda é colunista do Jornal Nexo. Aqui tem um link pro primeiro discurso dela na câmara, ainda tímido, mas que achei o máximo.

Vamos promover o bem. Vai dar certo, eu acredito. Somos bons e somos muitos! Um abraço e uma boa semana para você e para todos que você ama!

Ah… antes que eu me esqueça, um favor! Você gosta de receber esse e-mail semanal? O que escrevo te ajuda de alguma maneira? Me conta! E conte também para seus amigos, para o companheiro ou companheira, e convide quem você quiser para também assinar. O link é esse aqui.